quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Tu que tiveste a tua infância durante os anos 60, 70 ... Como podes ter sobrevivido?


Os carros não tinham cintos de segurança, apoios de cabeça, nem airbag!
Afinal de contas... Íamos soltos no banco de trás aos saltos e na galhofa. E isso não era perigoso!
As camas tinham grades e os brinquedos eram multicores com pecinhas que se soltavam ou no mínimo pintados com umas tintas “duvidosas” contendo chumbo ou outro veneno qualquer.
Não havia trancas de segurança nas portas dos carros, chaves nos armários de medicamentos, detergentes ou químicos domésticos.
Andávamos de bicicleta para lá e para cá, sem capacete, joelheiras, caneleiras e cotoveleiras...
Bebíamos água em potes de barro, da torneira, duma mangueira, ou duma fonte e não águas minerais em garrafas ditas “esterilizadas”.
Construíamos aqueles famosos carrinhos de rolamentos e aqueles que tinham a sorte de morar perto duma ladeira asfaltada, podiam tentar bater recordes de velocidade e até verificar no meio do caminho que tinham economizado a sola dos sapatos, que eram usados como travões... Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
Íamos brincar na rua com uma única condição: voltar para casa ao anoitecer.
Não havia telemóveis... Os nossos pais não sabiam onde estávamos! Era incrível!
Tínhamos aulas só de manhã, e íamos almoçar a casa.
Quando tínhamos piolhos a nossa mãe lavava-nos a cabeça com “Quitoso” e com um pente fininho removia a piolhada toda.
Braços engessados, dentes partidos, joelhos esfolados, cabeça rachada. Alguém se queixava disso? Não!
Comíamos doces à vontade, pão com Tulicreme, bebidas com o (perigoso) açúcar. Não se falava de obesidade.
Quando comprávamos aqueles tubinhos de Fá naquela mercearia da esquina, vinha logo o pessoal todo a pedir um “coche” e dividíamos com os nossos amigos. Bebiam todos pelo mesmo tubinho e nunca ninguém morreu por isso.
Nada de Playstations, Nintendo,X boxes, jogos de Vídeo, televisão por satélite, televisão a Cabo nem DVD’s, Dolby surround.
O telemóvel era ficção científica.
Computador? Internet? Só amigos.
Brincávamos sempre na rua e éramos super activos...
A pé ou de bicicleta, íamos à casa dos nossos amigos, mesmo que morassem a kms da nossa casa, entrávamos sem bater e íamos brincar.
É verdade! Lá fora, nesse mundo cinzento e sem segurança! Como era possível? Jogávamos futebol na rua, muitas vezes com a baliza sinalizada por duas pedras...
Ás vezes quando éramos muitos tínhamos que ficar de fora sem jogar nem ser substituído... mas nem era o “FIM DO MUNDO”!
Na escola havia bons e maus alunos. Uns passavam e outros eram reprovados. Ninguém ia por isso a um psicólogo ou psicoterapeuta. Não havia a moda dos superdotados, nem se falava em dislexia, problemas de concentração, hiperactividade. Quem não passava, simplesmente repetia de ano e tentava de novo no ano seguinte!
As nossas festas eram animadas por gira-discos , afazerem aqueles cliques da agulha a deslizar nos discos de vinil.
As bebidas, eram claro, a deliciosa groselha com cubinhos de gelo.
Tínhamos:
Liberdade,
Fracassos,
Sucessos e
Deveres... e aprendíamos a lidar com cada um deles!
A única verdadeira questão é: Como conseguimos sobreviver?
E acima de tudo, como conseguimos desenvolver a nossa personalidade?
Também és dessa geração?
Se sim, então lê este post aos teus amigos desse tempo, e também aos teus filhos e sobrinhos, para que eles saibam como era no... Nosso tempo!
Sem dúvida vão responder que era uma chatice, mas ...
Como éramos felizes!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Estações de comboio do Mundo

Portugal

Inglaterra

Coreia do Sul

Japão

França

Dubai

Índia

Paquistão

A procura


Books e mais Books

A editora Springer oferece agora via-Bon o acesso a várias centenas de e-books em texto integral divididos por 13 colecções, de entre as quais destacamos, entre outros:  Arquitectura e Design, Economia, Gestão, Informática, Ciências Sociais e Matemática.

Verifique em ( Books)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

O sonho está em stand by.


Cada homem carrega consigo comportamentos inibidores e comportamentos libertadores. A maior parte dos homens utiliza, somente, uma pequena parte deles.
A exploração de novas vias – não apenas geográficas – sempre comporta um risco. Tem custos psicológicos importantes, até mesmo desencorajadores para quem não tem confiança nos benefícios futuros e na própria capacidade de suscitá-los.
Ou seja, numa época em que a crise, por vezes empolada em demasia, nos entra pela porta dentro, o futuro passa pelo empreendedorismo. Claro que o empreendedorismo implica risco, mudança, o ser “desviante” do pensamento instituído e isto não está ao alcance de todos. É, preferível seguir a palavra de ordem: o desinvestimento.
Tal como dizia o poeta “Eles não sabem, nem sonham… que o sonho comanda a vida… que sempre que um homem sonha… o mundo pula e avança… como bola colorida… entre as mãos de uma criança”.
Na nossa equipa, alguns, ousaram sonhar e, tentaram fazer parte da rede de sonhos empreendedores.
Outros, pertenças de grupos, que vivem fechados em universos de crenças e credos, discípulos e/ou devotos de determinada (s) doutrina (s), a cujas consciências, impõem-se princípios, tais como: utilitarismo, segurança, conforto, optaram por estes, ou seja, pela segurança rotineira que oferece o conforto dos caminhos conhecidos.
Em suma, fez-se tudo certo, mas correu tudo mal.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Mulheres Andina (Lima / Peru)


O banco de suplentes de uma equipa andina do campeonato nacional de futebol das mulheres indígenas.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Cimeira de Copenhaga: Acordo climático não vinculativo marca o fim.


O Acordo de Copenhaga, segundo as organizações ambientalistas, é uma falsa partida, um fracasso histórico. Não só ignora a Ciência, como se guia pelos interesses nacionais de alguns países.
É, ainda, um documento sem ambição, acaba com a liderança da UE e é um desastre para os sonhos europeus.


Fonte: Expresso

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Civilização maia


Compartilhamos com vocês as, maravilhosas, obras do escultor Mario Morasan baseadas na civilização maia. A civilização maia foi uma cultura mesoamericana pré-colombiana, notável não só pelos seus mais de 3000 anos, como pela escrita.
A civilização maia divide muitas características com outras civilizações da mesoamérica, devido ao alto grau de interacção e difusão cultural que caracteriza a região. Avanços como a escrita, epigrafia ou o calendário não se originaram com os maias; no entanto, esta civilização desenvolveu-os plenamente.
Contrariando a crença popular, o povo maia nunca "desapareceu", ainda, hoje milhões vivem na mesma região e muitos deles, ainda, falam alguns dialectos da língua original.

 
A não perder.

Cimeira de Copenhaga: Mudanças Climáticas

video

A Cimeira de Copenhaga chega hoje ao fim. O impasse negocial e as divergências, entre os 25 líderes mundiais, poderão levar as gerações futuras ao caos ambiental. Será o futuro do planeta o que retrata o vídeo? Muitos de nós nunca o chegarão a saber, mas as gerações seguintes serão testemunhas, ou nao, do que aqui é retratado.

Fonte do Video: Quercus

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O que, por vezes, comemos (Bitola / Macedônia)


Porcos alimentam-se de detritos, depositados numa lixeira, junto às torres de resfriamento de uma fábrica.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Cimeira de Copenhaga: Uma reflexão


Esta é a última de uma série de reuniões, que tiveram a sua origem na Cimeira do Rio em 1992. Todos esperamos que a Cimeira de Copenhaga seja um momento histórico para a humanidade e para o planeta.
Dedicada ao clima, por um lado, ambiciona a redução de gases poluentes e, por outro lado, poderá abrir as portas a uma nova Economia Mundial, baseada nas novas tecnologias renováveis. Tendo por objectivo “encontrar” um substituto para o Protocolo de Quioto, que termina em 2012, todos esperamos que não seja o “assassinato” de Quioto, mas a efectivação das reduções de emissões de gases com efeito de estufa.
Fazendo fé nas palavras de Ban Ki-moon, proferidas a 22 de Setembro, «a incapacidade de concluir um acordo global, sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, em Copenhaga seria moralmente indesculpável, de vistas curtas em termos económicos e politicamente mal avisado». O secretário-geral da ONU defendeu, ainda, que «as alterações climáticas são a questão dominante da geopolítica e economia mundiais do século XXI, uma questão que afecta a equação mundial do desenvolvimento, da paz e da prosperidade».

Jo Yao Pé de Couve? (Hefei / China)


Jo Yao e as suas couves no mercado de Hefei na China.
Uma nova versão da história de  "João e o Pé de Feijão"?

domingo, 13 de dezembro de 2009

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

domingo, 6 de dezembro de 2009

A invenção


Enviado pelo nosso amigo Carlos M. Pires

sábado, 5 de dezembro de 2009

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Dia Internacional Contra a Violência Contra as Mulheres

Assinala-se hoje o Dia Internacional Contra a Violência Contra as Mulheres.
Este ano, em Portugal, já morreram 26 mulheres vítimas de violência doméstica. Mais de metade têm menos de 35 anos e os homicídios tentados chegam já aos 42 casos. Segundo o jornal «Público», os números da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) são provisórios. A grande maioria dos actos de violência continua a não ser denunciada por medo e vergonha. Tal como as vítimas, os agressores têm um novo perfil. O indivíduo bêbedo ou toxicodependente dá agora lugar a um homem jovem, entre os 25 e os 40 anos, com alguma instrução e socialmente bem estruturado. No entanto, no íntimo do lar abusa da violência física e psicológica. Ele pode ser o marido, companheiro, namorado ou o ex-marido, o ex-companheiro e ex-namorado, que não aceitou o fim da relação. Em média, uma mulher em cada três sofre de violência na sua vida, desde espancamentos a relações sexuais impostas ou outras formas de maus-tratos, segundo um relatório do secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, divulgado em Outubro.
As campanhas são mais visíveis, mesmo assim os actos de violência são cada vez mais perigosos e com resultados fatais. As associações de apoio à vítima e de luta contra a violência defendem que é a partir da mudança de mentalidades que o cenário se pode alterar.

Fonte: TVI 24 e Publico
.
.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Teoria crítica: Estudos de retórica e cultura


Textos dos mais diversificados autores e para todos os gostos:

Theodor W. Adorno; Louis Althusser; Jean Baudrillard; Jorge Luis Borges; Pierre Bourdieu; Judith Butler; Hélène Cixous; Guy Debord; Gilles Deleuze; Félix Guattari; Jacques Derrida; Umberto Eco; Michel Foucault; Antonio Gramsci; Jürgen Habermas; Stuart Hall; Donna J. Haraway; Fredric Jameson; Arthur and Marilouise Kroker; Jean-François Lyotard; Herbert Marcuse; Mark Poster; Paul Virilio; Raymond Williams e, ainda, outros.

A não perder:
.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Black Eyed Peas: “I Gotta Feeling” Live


Uma acção promocional, da banda Black Eyed Peas, surpreendeu a apresentadora Oprah Winfrey.
Tudo estava combinado para a realização de um show da banda em Chicago, para executar o hit ”I gotta feeling”, na abertura da nova temporada do programa da apresentadora.
A surpresa ficou por conta da atitude da plateia, que realizou a MAIOR ACÇÃO DE FLASH MOB de que se tem noticia até hoje. Sem que Oprah soubesse, Will.i.am criou com um grupo de dançarinos uma coreografia e chamou 80 fãs para o espectáculo de TV.
As 80 pessoas aprenderam os passos e ensinaram-nos a mais de 20.000.
Veja o vídeo aqui.
.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Instituto do Cancro da Mama: Um gesto fará uma enorme diferença

O Instituto do Cancro da Mama está com uma importante campanha.
Vamos manter o site do cancro da mama? Não custa nada.
O site do cancro da mama está com problemas pois não tem o número de acessos e cliques necessários para alcançar a quota que lhes permite oferecer UMA mamografia gratuita diariamente a mulheres de baixo rendimento.
Demora menos de um segundo ir ao site e clicar na tecla cor-de-rosa que diz “Campanha da Mamografia Digital Gratuita”.
Não custa nada e é por meio do número diário de pessoas que clicam, que os patrocinadores oferecem a mamografia em troca de publicidade.

http://www.thebreastcancersite.com/
.

sábado, 14 de novembro de 2009

Metodologia de trabalho “Made in Portugal”


Um trabalha e produz, os outros… fiscalizam ou assistem.
Depois, a culpa é do governo ou da crise…
.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A Queda do Muro de Berlim completa 20 anos


Comemora-se hoje os 20 anos da Queda do Muro de Berlim.

O muro estendia-se por 155 quilómetros e separou Berlim Ocidental de Berlim Oriental por mais de 28 anos. A queda do Muro de Berlim foi o grande teste internacional pelo qual passou o processo de mudanças impulsionado pelo então líder soviético, Mikhail Gorbachov, que estava decidido a romper com décadas de confrontos com o Ocidente.

Enquanto a "Perestroika" na URSS ia transformando os países do bloco comunista, dois líderes socialistas, o da RDA, Erich Honecker, e o da Roménia, Nicolae Ceaucescu, resistiam a qualquer tentativa de mudança.

O então ministro de Assuntos Exteriores soviético, Eduard Shevardnadze, disse em entrevista à Agência Efe que uma das principais preocupações de Gorbachov, à época, eram os cerca de meio milhão de soldados do Exército Soviético posicionados na Alemanha Oriental. Gorbachov teve que viajar pessoalmente à RDA para evitar que as tropas saíssem às ruas do país. «Se não o tivesse feito poderia-se ter gerado uma nova guerra mundial».

Saiba mais em Especial: O Muro de Berlim - DW
.

sábado, 7 de novembro de 2009

Os intocáveis

O processo Face Oculta deu-me, finalmente, resposta à pergunta que fiz ao ministro da Presidência Pedro Silva Pereira - se no sector do Estado que lhe estava confiado havia ambiente para trocas de favores por dinheiro. Pedro Silva Pereira respondeu-me na altura que a minha pergunta era insultuosa.
Agora, o despacho judicial que descreve a rede de corrupção que abrange o mundo da sucata, executivos da alta finança e agentes do Estado, responde-me ao que Silva Pereira fugiu: Que sim. Havia esse ambiente. E diz mais. Diz que continua a haver. A brilhante investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária de Aveiro revela um universo de roubalheira demasiado gritante para ser encoberto por segredos de justiça.
O país tem de saber de tudo porque por cada sucateiro que dá um Mercedes topo de gama a um agente do Estado há 50 famílias desempregadas. É dinheiro público que paga concursos viciados, subornos e sinecuras. Com a lentidão da Justiça e a panóplia de artifícios dilatórios à disposição dos advogados, os silêncios dão aos criminosos tempo. Tempo para que os delitos caiam no esquecimento e a prática de crimes na habituação. Foi para isso que o primeiro-ministro contribuiu quando, questionado sobre a Face Oculta, respondeu: "O Senhor jornalista devia saber que eu não comento processos judiciais em curso (...)". O "Senhor jornalista" provavelmente já sabia, mas se calhar julgava que Sócrates tinha mudado neste mandato. Armando Vara é seu camarada de partido, seu amigo, foi seu colega de governo e seu companheiro de carteira nessa escola de saber que era a Universidade Independente. Licenciaram-se os dois nas ciências lá disponíveis quase na mesma altura. Mas sobretudo, Vara geria (de facto ainda gere) milhões em dinheiros públicos. Por esses, Sócrates tem de responder. Tal como tem de responder pelos valores do património nacional que lhe foram e ainda estão confiados e que à força de milhões de libras esterlinas podem ter sido lesados no Freeport.
Face ao que (felizmente) já se sabe sobre as redes de corrupção em Portugal, um chefe de Governo não se pode refugiar no "no comment" a que a Justiça supostamente o obriga, porque a Justiça não o obriga a nada disso. Pelo contrário. Exige-lhe que fale. Que diga que estas práticas não podem ser toleradas e que dê conta do que está a fazer para lhes pôr um fim. Declarações idênticas de não-comentário têm sido produzidas pelo presidente Cavaco Silva sobre o Freeport, sobre Lopes da Mota, sobre o BPN, sobre a SLN, sobre Dias Loureiro, sobre Oliveira Costa e tudo o mais que tem lançado dúvidas sobre a lisura da nossa vida pública. Estes silêncios que variam entre o ameaçador, o irónico e o cínico, estão a dar ao país uma mensagem clara: os agentes do Estado protegem-se uns aos outros com silêncios cúmplices sempre que um deles é apanhado com as calças na mão (ou sem elas) violando crianças da Casa Pia, roubando carris para vender na sucata, viabilizando centros comerciais em cima de reservas naturais, comprando habilitações para preencher os vazios humanísticos que a aculturação deixou em aberto ou aceitando acções não cotadas de uma qualquer obscuridade empresarial que rendem 147,5% ao ano. Lida cá fora a mensagem traduz-se na simplicidade brutal do mais interiorizado conceito em Portugal: nos grandes ninguém toca.

Fonte: Artigo de Opinião de Mário Crespo - JN
.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Claude Lévi-Strauss (1908 – 2009)

Claude Lévi-Strauss foi o antropólogo, considerado o fundador e grande teórico da Antropologia Estruturalista e um dos grandes intelectuais do século XX.
A obra As estruturas elementares do parentesco consagrou-se como um dos mais importantes estudos de família já publicados. No final da década de 40 e começo da década seguinte, Lévi-Strauss continuou a publicar e alcançou o sucesso profissional.
Apesar de bem conhecido em círculos académicos, foi apenas em 1955 que Lévi-Strauss se tornou um dos intelectuais franceses mais conhecidos ao publicar Tristes Trópicos, um livro autobiográfico sobre o seu “exílio” na década de 1930.
Em 1958 publicou Antropologia Estrutural, uma colecção de ensaios em que oferece tanto exemplos como manifestos programáticos do estruturalismo (crítica ao evolucionismo social e ao etnocentrismo).
.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A Internet comemora 40 anos

Faz hoje 40 anos que uma equipa de engenheiros americanos coordenada pelo professor Leonard Kleinrock enviou a primeira mensagem entre dois computadores. Este facto marcou o nascimento da internet, um fenômeno social mundial que revolucionou, e continua a revolucionar, as comunicações, a educação, a economia e o entretenimento.
Os dados trocados entre os dois computadores, um localizado no laboratório de Kleinrock na Ucla e outro na Universidade de Standford, eram pequenos e insignificantes, mas prepararam o terreno para a rede interuniversidades Arpanet, que cresceria e tornaria possível o surgimento da hoje indispensável internet.
A Arpanet começou como um projeto do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e os pequisadores e engenheiros foram contratados pelo governo americano com o objetivo de facilitar a troca de dados entre os órgãos de pesquisa governamentais.
Mas o próprio governo norte-americano, que financiou as primeiras pesquisas, não se envolveu muito com a internet e deixou que os engenheiros promovessem a idéia de uma rede aberta.
A ausência de regras e políticas comerciais que poderiam facilmente ter-se tornado um obstáculo foi um dos principais factores que mais influenciou o crescimento da internet.
Kleinrock estava longe de imaginar os fenômenos sociais que nasceriam com a sua criação, como Facebook, Twitter ou YouTube, entre outros.

Fonte: Terra

sábado, 24 de outubro de 2009

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Saramago: As declarações que «incendiaram» a igreja católica

José Saramago afirmou no passado domingo, que «a Bíblia é um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana». «Sobre o livro sagrado, eu costumo dizer: lê a Bíblia e perde a fé!», disse o escritor, numa entrevista concedida à Lusa, a propósito do lançamento mundial do seu novo livro, intitulado «Caim».
«A Bíblia passou mil anos, dezenas de gerações, a ser escrita, mas sempre sob a dominante de um Deus cruel, invejoso e insuportável. É uma loucura!», afirma o Nobel da Literatura de 1998, para quem não existe nada de divino na Bíblia, nem no Corão.
«O Corão, que foi escrito só em 30 anos, é a mesma coisa. Imaginar que o Corão e a Bíblia são de inspiração divina? Francamente! Como? Que canal de comunicação tinham Maomé ou os redactores da Bíblia com Deus, que lhes dizia ao ouvido o que deviam escrever? É absurdo. Nós somos manipulados e enganados desde que nascemos!» afirmou.
Saramago sublinhou que «as guerras de religião estão na História, sabemos a tragédia que foram». Considerou que as Cruzadas são um crime do Cristianismo, morreram milhares e milhares de pessoas, culpados e inocentes, ao abrigo da palavra de ordem 'Deus o quer', tal como acontece hoje com a Jihad (Guerra Santa).
Saramago lamenta que todo esse «horror» tenha feito em nome de «um Deus que não existe, nunca ninguém o viu». «O teólogo Hans Kung disse sobre isto uma frase que considero definitiva, que as religiões nunca serviram para aproximar os seres humanos uns dos outros. Só isto basta para acabar com isso de Deus», afirmou.
Salientou ainda que «no Catolicismo os pecados são castigados com o Inferno eterno. Isto é completamente idiota!». «Nós, os humanos somos muito mais misericordiosos. Quando alguém comete um delito vai cinco, dez ou 15 anos para a prisão e depois é reintegrado na sociedade, se quer», disse.
«Mas há coisas muito mais idiotas, por exemplo: antes, na criação do Universo, Deus não fez nada. Depois, decidiu criar o Universo, não se sabe porquê, nem para quê. Fê-lo em seis dias, apenas seis dias. Descansou ao sétimo. Até hoje! Nunca mais fez nada! Isto tem algum sentido?», perguntou.
Para José Saramago, «Deus só existe na nossa cabeça, é o único lugar em que nós podemos confrontar-nos com a ideia de Deus. É isso que tenho feito, na parte que me toca».
José Saramago afirmou que escrever o seu novo livro, «Caim», constituiu, para si, «um exercício de liberdade».
«Não é que este livro seja mal comportado, mas é, sem dúvida uma insurreição, um apelo a que todos se animem a procurar ver o que está do outro lado das coisas», disse.
O Prémio Nobel da Literatura de 1998, com 86 anos, falou cerca de uma hora e um quarto, e referia-se ao tema principal do livro, em que regressa à questão religiosa, contando, em tom irónico e jocoso, a história de Caim.
Segundo o Velho Testamento, Caim terá sido o filho primogénito de Adão e Eva, que matou Abel, seu irmão mais novo, num acesso de ciúmes, após verificar que Deus mostrara preferência por este.
«Nada disto existiu, está claro, são mitos inventados pelos homens, tal como Deus é uma criação dos homens. Eu limito-me a levantar as pedras e a mostrar esta realidade escondida atrás delas», afirmou o escritor.
Recusando mais polémicas, José Saramago, concluiu: «Eu não tenho culpa, eu não matei Abel».


Fonte: TVI24
.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Astérix, o gaulês: 50 anos de vida.

Faz, no próximo dia 29 de Outubro, 50 anos que René Goscinny e Albert Uderzo, nos deram a conhecer a aldeia gaulesa de Astérix, nas páginas da revista francesa Pilote.
No seu imaginário, Uderzo e Goscinny, apresentaram-nos um pequeno gaulês de bigode farfalhudo que tinha como melhor amigo Obélix, um desajeitado, mas simpático personagem, com uma força gigantesca e que adorava comer javalis.
Os dois amigos habitavam uma pequena aldeia Gaulesa que resistia, às constantes investidas das legiões romanas, dirigidas por Júlio César, graças a uma poção mágica inventada pelo druida Panoramix.
Uderzo e Goscinny, apresentaram, ainda, personagens como Abraracourcix, o chefe da aldeia, o bardo Assurancetourix ou o pequeno cão Ideiafix, pertença de Obélix.
O primeiro volume, saído em 1961 intitulava-se “Astérix, o Gaulês”.
Os 50 anos de Astérix, serão assinalados no próximo dia 22 de Outubro, em 19 países europeus, com a publicação em simultâneo, do álbum “O Aniversário de Astérix e Obélix – O Livro de Ouro”, cuja tiragem será na ordem dos 3,5 milhões de exemplares.
.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Aids ou o HIV/Sida

sábado, 10 de outubro de 2009

Obama ganha Nobel da Paz

Barack Obama o vencedor do Prémio Nobel da Paz de 2009 foi para muitos uma nomeação surpreendente. No entanto, relembramos os nossos post’s:

Obama como negro na Presidência será o rosto da mudança de paradigma? (4/11/2008)
“No momento em que escrevemos este post, nos EUA os cidadãos escolhem o seu 44º presidente, (os primeiros resultados apontam para que seja Barack Obama), o mundo encontra-se suspenso na expectativa dos resultados (veja-se o caso das bolsas mundiais, praticamente sem movimentos […]. No entanto destas eleições norte americanas, caso Obama seja o eleito (será o primeiro não branco da história dos Estados Unidos), há lições a tirar, ou seja, a lição da existência de uma nova identidade intercultural.
Nos tempos que correm o paradigma tende a ser: o do surgimento de uma civilização onde é possível pertencer a diversas culturas ao mesmo tempo, independentemente da nacionalidade de origem, etnia ou credo religioso.
Isto é, e parafraseando Contantin von Barloewen “existe cada vez mais gente que não tem uma raiz, mas sim um entrelaçamento de raízes e identidades [...] Há identidades múltiplas e o homem não será nunca mais membro de uma determinada cultura [...] Na civilização actual, temos automaticamente várias identidades. Este é o ponto: a identidade intercultural é sempre mais do que uma ou outra identidade. Ela é um terceiro factor, algo novo muito mais abrangente, porque abarca em si várias identidades e tradições culturais distintas”.

As lágrimas de Barak Obama (31/12/2008)
“Vivemos hoje no que é considerada, uma sociedade de “high-consequence risks”, característicos da modernidade reflexiva ou modernidade tardia. Não que os riscos tenham aumentado descontroladamente mas, porque se definem em moldes diferentes.
Assiste-se à emergência de novas categorias de risco, as quais se caracterizam por serem globais, isto é, são riscos que se apresentam longe do controle dos indivíduos, ao mesmo tempo que ameaçam a vida de milhões de pessoas e até da própria humanidade como um todo.
Contudo, se nos é possível ver o homem mais “poderoso do mundo” ser capaz de chorar em público, também nos é possível acreditar que os «realistic utopian models» (modelos que podem ser a solução para alguns dos problemas e, consequentemente, para a redução de riscos numa sociedade) podem vir a tornar-se realidades num futuro de curto prazo.”

Barack Obama: The lord of the “new world” (19/01/2009)
Estamos a pouco menos de vinte e quatro horas da tomada de posse de Barack Obama, como 44º presidente dos Estados Unidos da América. A eleição de Obama foi o resultado da vaga da “Obamomania” que cobriu a América e o mundo e, na pior das hipóteses, fez-se história e nasceu um mito.
Desta eleição (Obama é o primeiro não branco da extensa lista de presidentes norte americanos), tal como já escrevemos, antes da sua vitória, há lições a tirar, ou seja, a lição da existência de uma nova identidade intercultural.
Nos tempos que correm (os da Globalização), o paradigma tende a ser, o do surgimento de uma civilização onde é possível pertencer a diversas culturas ao mesmo tempo, independentemente da nacionalidade de origem, etnia ou credo religioso. Como o próprio Obama afirmou por diversas vezes “«Na nossa casa, a Bíblia, o Alcorão e o Bhagavad Gita (texto religioso hindu), ficavam lado a lado na prateleira…».
Para nós, cientistas do social, um dos fenómenos sociais de maior importância é a Globalização. Vivemos hoje num mundo onde os indivíduos, que constituem as sociedades, têm um entrelaçamento de raízes e identidades. Ou seja, na civilização actual, temos automaticamente várias identidades, isto é, uma identidade intercultural é sempre mais do que uma ou outra identidade.
A globalização obriga-nos a viver de uma forma mais aberta e reflexiva, obrigando-nos a responder ao contexto da mudança e a ajustar-nos a ele. A globalização traduz-se no facto de vivermos cada vez mais num “único mundo”, onde os indivíduos, os grupos e as nações são mais interdependentes, em que tudo transcende as fronteiras nacionais, onde as nossas acções têm consequências para os outros e os problemas mundiais têm consequências para nós. A globalização não é apenas o desenvolvimento de redes mundiais - sistemas económicos e sociais afastados das nossas preocupações individuais. É também um fenómeno cujo impacto se revela na vida de todos nós, na maneira como pensamos acerca de nós próprios e nas nossas relações com os outros. Afecta também a vida das pessoas de todos os países, ricos ou pobres, transformando não apenas os sistemas globais, mas também, a vida quotidiana.
A globalização está a mudar a forma como o mundo se nos apresenta. A nós, interessar-nos a maneira como a nova América de Obama, que internamente aceitou a ideia da existência de uma identidade intercultural, olhará para o “novo mundo”, ele também de identidade intercultural.

Sem mais palavras.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Ainda em Campanha Eleitoral




Barack Obama imortalizou a frase “Yes, we can”, ou seja, “Sim, podemos”.
Na candidatura, da qual fazemos parte, “Porque nós vivemos o Lavradio” acreditamos que os Lavradienses, tal como nós, fazem parte da “nova ordem”, que por um lado, acredita nos comportamentos libertadores e, por outro lado, acredita nos benefícios futuros e na sua própria capacidade de suscitá-los, perante não só a sociedade, mas a localidade de que é membro.
Sim, podemos... porque nós vivemos o Lavradio e a onda da mudança cresce.
Agradecemos à nossa amiga Sandra Valeriote que do outro lado do atlântico, nos vai dando força com a sua simpatia, a qual partilhamos com todos os nossos leitores.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Escutas a “Belém”: Então o porquê do afastamento do assessor?

Como os nossos leitores já se aperceberam, ao longo deste tempo, o nosso blog não é dado a politiquices. Muito pontualmente abordamos alguns aspectos da politica nacional, mas sempre sem opinar a favor de A ou B.
No entanto, vamos hoje abrir uma excepção devida, essencialmente, ao incendiar das relações entre Belém e o Governo e há utilização política que está a ser feita tanto pelos partidos políticos como pela comunicação social.
Depois de ouvir atentamente o comunicado do Presidente da Republica, numa hora de crise económica nacional e internacional e onde mais do que nunca a união deveria ser o ponto de interesse nacional, independentemente das ideologias politicas. Infelizmente para todos nós, não foi o Presidente de Todos os Portugueses, mas sim, e parafraseando Alberto João Jardim, o Sr. Silva, quem ontem fez o comunicado ao país.
Interrogamo-nos: Se o culpado e inventor das ditas escutas foi o governo e/ou o seu partido politico, neste caso o PS, o porquê do afastamento do seu assessor de imprensa?
Como diria o Prof. Medina Carreira, o comunicado não passou de mais "um prato de sopa" para alimentar o povo, neste momento conturbado da política nacional, pois nada esclareceu e mais desgasta e desprestigia as instituições.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Filhos da ignorância

Ao longo de milhares de anos a maior ambição do ser humano era o conhecimento. Perseguiu-o afincadamente, pois o acesso ao mesmo era inacessível à maioria.
Nunca, como hoje, esse acesso foi tão fácil a todos e ao mesmo tempo tão desprezado.
Hoje não se conhece, mas julga-se conhecer e pior que tudo, tem-se opinião.
Talvez, nunca como hoje a ignorância esteja tão presente na maioria. Deixamos aqui, algumas "pérolas do conhecimento” que gravita actualmente:
• Para fazer uma divisão basta multiplicar subtraindo.
• Em 2020 a caixa de previdência já não tem dinheiro para pagar aos reformados, graças à quantidade de velhos que não querem morrer.
• Newton foi um grande ginecologista e obstetra europeu que regulamentou a lei da gravidez e estudou os ciclos de Ogino-Knaus.
• O Princípio de Arquimedes: qualquer corpo mergulhado na água, sai completamente molhado.
• A Terra vira-se nela mesma, e esse difícil movimento chama-se arrotação.
• Quando o olho vê, não sabe o que está a ver, então ele amanda uma foto eléctrica para o cérebro que lhe explica o que está a ver.
• O hipopótamo comanda o sistema digestivo e o hipotálamo é um bicho muito perigoso.
• A água tem uma cor inodora.
• A baleia é um peixe mamífero encontrado em abundância nos nossos rios.
• A Latitude é um circo que passa por o Equador, dos zero aos 90º.
• O caudal de um rio, é quando um rio vai andando e deixa um bocadinho para trás.
• Uma tonelada pesa pelo menos 100Kg de chumbo.
• O metro é a décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestre e para o cálculo dar certo arredondaram a Terra.
• A História divide-se em 4: Antiga, Média, Momentânea e Futura, a mais estudada hoje.
• O teste do carbono 14 permite-nos saber se antigamente alguém morreu.
• O pai de D. Pedro II era D. Pedro I, e de D. Pedro I era D. Pedro 0 (zero).
.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O uso do PRESERVATIVO no casamento

O número de PRESERVATIVOS usados a cada ano para evitar a gravidez no casamento é de 3 bilhões, 12% do total dos 24 bilhões de PRESERVATIVOS necessários, segundo informações do Population Reports – Population Information Program, The Johns Hopkins School of Public Health.
Muitas esposas acreditam, mas não têm certeza absoluta, que participam de uma relação monogâmica. Nas relações duradouras, o pedido para usar preservativo poderia dar a ideia de desconfiança e não de preocupação com o bem-estar do outro.
Geralmente os casais usam PRESERVATIVOS no início da relação, mas passam para outro método anticoncepcional quando existe mais confiança e quando diminui a preocupação com as DST’s. É comum encontrar casais que usam PRESERVATIVOS durante os primeiros três meses da relação e desde que ambos apresentem teste negativo para o HIV, deixam de usá-lo.
No entanto, as pessoas precisam aprender a discutir o sexo de maneira directa. Apesar de alguns casais conversarem sobre sexo e tomarem juntos a decisão quanto ao uso do PRESERVATIVO, grande parte da comunicação é indirecta.
Os parceiros que não mantêm um diálogo directo enfrentam maior risco de contraírem as DST’s do que aqueles adeptos da conversa franca. A falta de comunicação impede um comportamento preventivo eficaz.

Fonte: Eliane Marçal, psicóloga clínica
.
.....................................
video

E se fosse eu que fosse invisual?

Pensamos que é uma das "tais coisas" em que nos devemos empenhar e sentir que podemos ser úteis, para além de devermos também pensar: "E se fosse eu que fosse invisual? Também gostava de ter essas indicações, ou não gostaria?
Recebemos um e-mail sobre as pessoas invisuais, a alertar para a dificuldade que têm em, simplesmente, irem ao Supermercado!... Surpreendidos? São das tais coisa em que nunca pensamos.
Realmente, tudo seria muito mais fácil para eles se, ao lado dos preços, fossem colocadas placas em Braille que, no mínimo, lhes indicassem os tipos de produtos!
Isto, sem falar, obviamente, dos “designs” de todos os instrumentos que “deambulam” pelos corredores e são um perigo real para quem não vê, tais como um simples “porta-senhas” preso a uma parede, e que não é detectado pela bengala de um invisual...
Apenas uma simples “placa” em Braille.
Que tal se fizéssemos uma petição e a enviássemos à Assembleia para que os deputados votassem algo neste sentido?! Aqui vai o 1º passo!

Caso este interessado(a) em assinar essa petição, contacte-nos e far-lhe-emos chegar uma cópia da petição.

Obrigado em nome de todos os invisuais deste país.

11 de Setembro de 2001





Passam hoje oito anos sobre os ataques terroristas de 11 de Setembro nos Estados Unidos da América em 2001.
Ataques suicidas, coordenados pela Al-Qaeda contra alvos civis no World Trade Center em Manhattan (Nova York) e Pentágono (Condado de Arlington, Virgínia).
Imagens a não esquecer

Fotos: AP/ Wide World Photos - Carmen Taylor, Kathy Willens, Shawn Baldwin