sábado, 1 de agosto de 2015

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

O Herdeiro de Antioquia

Como a vida continua, há alturas em que devemos arriscar e tentar não custa.
Numa nova fase da vida.
Acompanhem no Facebook e é só meter GOSTO / LIKE na página.
https://www.facebook.com/pages/Paulo-Costa-Gon%C3%A7alves/821427047902623


quarta-feira, 3 de abril de 2013

SURGIMENTO DE UMA NOVA ESPÉCIE

 
 
 
 
 
 

Os indivíduos desta nova espécie são conhecidos como Homo sapiens semi-erectus imprestabilis - que alguns cientistas e antropólogos estão também chamando de Homo stupidus - e surgiram por involução natural da espécie Homo sapiens, sub-espécie Homo semisapiens erectus.
Alguns não os consideram mais como primatas, mas como secundatas, e outros estudiosos, mais radicais, como ultimatas.
Passaram a assumir constante postura encurvada, fala incompreensível, mastigação contínua de chicletes, audição constante de músicas de péssimo gosto em volume semi-letal e ter movimentos espasmódicos de extremidades superiores que, segundo recentes pesquisas científicas, acarretam o surgimento de pernas mais curtas e um único e repugnante modo de caminhar, sempre com as pernas abertas, e arrastando os pés. Comprovou-se que esta marcha peculiar, também conhecida como "arrasta-forquilha", afeta seriamente as funções cerebrais, se é que a nova espécie ainda é provida de algumas delas. Por isso, nunca espere desses indivíduos qualquer contato com os olhos ou comunicação verbal inteligente, sendo aliás, as suas maiores características, o analfabetismo absoluto e o analfabetismo funcional  
O pior de tudo, infelizmente, é que eles são muito férteis! Reproduzem-se como ratos! Além disso, possuem veículos velhos e imprestáveis que pouco valem, mas com instalações sonoras caríssimas para reprodução de raps, axé, funk, punk/pancadão de modo a estourar os tímpanos de toda vizinhança.
By: Baseado em texto de Anónimo na Internet

sexta-feira, 1 de março de 2013

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

O regresso aos mercados


Ontem acordei estranhamente excitado e sem perceber bem o porquê.
«Precisava de ter dormido um pouco mais?» pensei, enquanto absorvia o ar puro, quando me assumi à janela de casa. Semicerrei os olhos para os defender da luminosidade do sol de Inverno. De olhos semicerrados podia observar melhor o quadro que se me afigurava. Uma vaga de ansiedade percorreu-me o corpo enquanto um casal de pardais voava ao desafio por entre as arvores.
Percebi então o porquê,  era o dia do regresso aos mercados!
Não pensei duas vezes e sem hesitar lá fui eu.
No entanto, alguns factos se me afiguraram, ou seja, não sei se por analogia ou não aos nossos actuais políticos, pude constactar alguns, pelo que vos deixo aqui pelo menos três deles.
Os nabos e as nabiças estavam em baixa devido ao excesso de quantidade, ou seja, esse excesso colocou-os a preços acessíveis em operações a 2 anos e meio, pelo que eram um bom investimento. Aproveitei e não sabendo o que será o fim do mês, investi para a sopa.
Já os tomates rareavam e os poucos que existiam estavam em alta, isto é, a preços demasiado elevados. Após consulta a alguns vendedores, fui informado que talvez em operações a 5 ou 10 anos, fosse possível negocia-los a preços acessíveis.
Em suma, apesar de me ter esquecido dos coentros e ter trazido salsa, o investimento, quer nos nabos, quer nas nabiças talvez venha a valer apena apesar de deixar a sopa meio deslavada.


quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

A apatia do país

Sim é verdade! Estes políticos conseguiram algo incrível, ou seja, criar uma tal apatia no povo, como nunca pensei um dia assistir. Tivemos o 15 de Setembro que os assustou, mas surgiu e esgotou-se nesse mesmo dia. Vivemos dias de um egoísmo atroz, cada um está apenas preocupado consigo mesmo e na sua sobrevivência e nada se passa. Pergunto-me muitas vezes onde andam aqueles milhares de pessoas que, nos últimos anos da governação de Sócrates, se juntavam e saiam à rua quase diariamente? Estão de tal modo preocupadas com elas mesmo que se tornaram apáticas perante a sucessão de acontecimentos nefastos que nos têm assolado. Nem nos anos da ditadura fascista assistimos a esta apatia generalizada que neste momento está implantada no nosso país.

sábado, 29 de dezembro de 2012

A solução final?

Isto de os portugueses adoecerem e andarem constantemente a gastar o dinheiro do SNS é uma chatice das grandes.
Não querendo ser mauzinho faz-me lembrar algo a que foi chamado... "a solução final", ou seja, morram e não deem despesa!!!
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Saude/Interior.aspx?content_id=2968743

sábado, 13 de outubro de 2012

Nobel da Paz

Por razões que a própria razão desconhece, a academia suéca, decidiu atribuir o Prémio Nobel da Paz a uma União Europeia que vive os seus tempos mais conturbados desde  o pós 2ª Grande Guerra. Nunca desde a sua origem houve tanta agitação social e descontentamento, como as imagens abaixo comprovam, fomentada pelas desigualdades existentes entre os países ricos e pobres da União.
Mas como inicialmente comentámos, por razões que a própria razão desconhece foi-nos atribuído o prémio.


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A 3ª Guerra Mundial

Desde há muito que os especialistas andam a tentar decifrar as previsões de Nostradamus para o início do séc. XXI na Europa. A maioria aponta para uma guerra bélica sem precedentes que se desenvolveria e arrasaria toda a Europa. Acontece porém que essa guerra não é belicista mas sim económica e já se iniciou há algum tempo e tem, uma vez mais como principal ator uma Alemanha ressabiada, que tem como principais aliados algumas instituições financeiras de nível mundial, tais como o FMI, O Banco Central Europeu e a Comissão Europeia, e que faz questão de conseguir pela via económica o que não conseguiu pela via bélica, ou seja, mandar na Europa a seu belo prazer com a conivência dos partidos mais conservadores dos respectivos países europeus, tal como aconteceu no passado.
Uma guerra bélica tem as suas consequências mas, posteriormente, os países acabam por se reconstruir e até mesmo em se tornarem potências económicas, veja-se o caso da própria Alemanha ou do Japão, que praticamente no espaço temporal de uma geração atingiram níveis económicos elevados, já uma guerra económica trás consequências imprevisíveis e que poderão perdurar no tempo e atingir várias gerações com consequências catastróficas para os países que dela são vítimas.
No atual contexto europeu e no caso português, em particular, como país intervencionado, é certo que temos que nos reger por algumas regras, pois como se diz na gíria economicista “não há almoços gratuitos”, no entanto tal como aconteceu nas guerras do século passado, nos países intervencionados, existem sempre os colaboracionistas que na ansia de não afrontar e/ou agradar ao “invasor” vão mais além do que lhe é exigido e por isso Portugal, por via do atual governo, passou de um “aparente” aluno exemplar a um aluno que é difícil descrever, tal é o exagero da sua aplicação, conforme tem sido descrito, e bem, por muita imprensa financeira internacional.  
Ou seja, como o próprio FMI já alertou (da troika, parece-me ser a instituição mais realista) o combate a um défice não é “um sprint mas uma maratona”. O mesmo FMI demarcou-se, no imediato, das alterações à TSU que o atual governo nos quis impingir como uma dávida para a resolução de todos os problemas do nosso país e que levaram ao 15 de Setembro e ao maior manifesto social alguma vez visto em Portugal e transversal a toda a sociedade civil.
Mas uma questão se coloca. Será que os partidos políticos e os seus responsáveis tiraram ilações desse manifesto? Parece-me que não.
A coligação governamental recuou na TSU mas aplicou-nos em dobro em impostos. A oposição anda completamente à nora, isto é, uns vivem agarrados a utopias fundamentalistas que nada trazem de positivo para a situação do país e o principal partido da oposição não se define com propostas alternativas e vai-se ficando pelo sempre incógnito e cómodo “nim”.
O PS sendo um dos partidos que assinou o memorando da troika, não assinou, porque tal não lhe foi exigido, as consecutivas medidas de austeridade que um governo, desgovernado e agarrado a cartilhas de economia completamente desatualizadas, que nos são impingidas pela Sra. Merkel, e que nada têm servido para a resolução dos problemas do nosso país, antes pelo contrário, têm servido para criar mais desemprego, mais pobreza, menos receitas e mais despesa.
Há soluções mais credíveis? Há! Mas para isso é preciso trazer para a política, pessoas credíveis, competentes e que estejam dispostas a servir e não a servir-se. É difícil? Com certeza que é, mas não será impossível, pois a sociedade civil dispõe de recursos humanos em número mais que suficiente para tal efeito, assim estejam eles dispostos a tal.
Há casos de sucesso em países intervencionados? Há! Veja-se o caso do Brasil, que intervencionado unicamente pelo FMI nos finais dos anos 90 do século passado e sem ter que se reger pelas cartilhas economicistas da Alemanha, conseguiu desenvolver a sua economia de mercado e criar mais intervenção social de apoio aos mais desfavorecidos, sem necessitar de mandar apertar o cinto a ninguém e é, desde há alguns anos, uma economia emergente e sólida, conforme afirmou há dias Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil.
O PS como principal partido da oposição tem que se demarcar de uma vez por todas do atual contexto governativo e das suas medidas de austeridade, apresentando aos portugueses alternativas credíveis, reconhecendo os seus erros em governações passadas, responsabilizando infratores e gestões danosas, acabando com os chamados “tachos”, independentemente das filiações partidárias e gritando bem alto para que todos possam escutar, pois só assim se pode posicionar como alternativa credível à atual coligação governativa. Em suma, o PS não pode manter a ideia intrínseca na opinião pública de que como alternativa “só muda a mosca”.
Finalmente, o PS não pode ter medo de abrir uma crise política e ser governo, pois isso não passa de mais uma chantagem para com o povo português, porque se bem estamos recordados, a ajuda financeira, com a troika, foi negociada por um governo demissionário e em vésperas de eleições e não foi por esses motivos que a troika não deixou de intervencionar Portugal.
                                                                                                                                                                           

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

sexta-feira, 25 de maio de 2012

CONSEQUÊNCIAS DA CRISE NA GRÉCIA

1. Zeus vende o trono a uma multinacional coreana.
2. Aquiles vai tratar do calcanhar num hospital público.
3. Eros e Pan inauguram um prostíbulo.
4. Hércules suspende os 12 trabalhos por falta de pagamento.
5. Narciso vende espelhos para pagar a dívida do cheque especial.
6. O Minotauro puxa carroças para ganhar a vida.
7. A Acrópole é vendida e aí é inaugurada uma Igreja Universal do Reino de Zeus.
8. Eurozona rejeita Medusa como negociadora grega: "Ela tem minhocas na cabeça".
9. Sócrates inaugura o Cicuta's Bar para ganhar uns trocados.
10. Dionísio vende vinho à beira da estrada de Marathónas.
11. Hermes entrega currículo para trabalhar nos correios. Especialidade: entrega rápida.
12. Afrodite aceita posar para a Playboy.
13. Sem dinheiro para pagar os salários, Zeus liberta as ninfas para trabalharem na Eurozona.
14. Ilha de Lesbos abre resort hétero.
15. Para economizar energia, Diógenes apaga a lanterna.
16. Oráculo de Delfos vaza números do orçamento e provoca pânico nas Bolsas.
17. Áries, deus da guerra, é apanhado em flagrante a desviar armamento para a guerrilha síria.
18. A caverna de Platão abriga milhares de sem-teto.
19. Descoberto o porquê da crise: os economistas estão a falar grego!
By: Rui Brites

quinta-feira, 5 de abril de 2012

quinta-feira, 22 de março de 2012

Dia Mundial da Água


DIA MUNDIAL DA ÁGUA, é hoje, assinala-se um pouco por toda a parte, mesmo nos locais onde já se verifica uma preocupante falta deste bem precioso.
No mundo ocidental, nas cidades, sempre se acharam bizarras as guerras de famílias que por vezes se matavam à sacholada pela posse deste ou daquele regadio. Estamos em crer que pelo caminho que tudo isto vai, essa imagem vai ser ampliada à escala macro...
Esperando estarmos enganados, aqui deixamos, com esta bem disposta foto, o nosso alerta para uma gestão responsável do líquido transparente e tenha um bom-dia!

sábado, 10 de março de 2012

A realidade portuguesa

É ridículo mas é assim em Portugal.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

2012 o ano da profecia

O calendário Maia está no centro da mais recente polémica previsão do fim do mundo, mas os astrónomos garantem que é mais provável um asteróide invisível dar cabo de tudo do que o mundo acabar em Dezembro. Uf... assim ficamos mais descansados...

Mesmo os mais distraídos já se devem apercebido do zum zum à volta de 2012. Entre filmes apocalípticos de Hollywood, documentários sobre as profecias Maia e correntes de e-mail sobre o Apocalipse, nunca o fim do mundo teve tantos meios de divulgação como na era da globalização e da internet. Há teorias para todos os gostos, as mais pessimistas preveem a destruição total do planeta em dezembro de 2012, as mais otimistas asseguram que a mudança será interior, falam da nova era e num ‘novo paradigma da consciência’. Já ouvimos falar disto tudo no ano 2000? Talvez, mas pelo sim, pelo não fomos investigar melhor.
Vem aí uma data redonda. Fujam!
As teorias apocalípticas ressurgem sempre nas datas redondas e as passagens de milénio são férteis em profecias. No ano 2000 o mundo tremeu com medo do ‘bug do milénio’ que ia ter consequências imprevisíveis sobre os sistemas informáticos que não conseguiam distinguir o ano 2000 do 1000. Falava-se em possíveis catástrofes nucleares e houve quem se refugiasse em bunkers, até porque a sabedoria popular corroborava o apocalipse com o famoso dito “a mil chegarás, de dois mil não passarás”. Também o ano 1000 esteve recheado de profecias do fim do mundo (sem a parte dos computadores) que não se vieram a concretizar, assim como o ano 500 e o 90, apenas para dar alguns exemplos. À falta de datas redondas os eventos astronómicos costumam ser o pretexto mais usado para prever o final dos tempos. Ainda se lembra do eclipse solar de 11 de agosto de 1999 associado às profecias de Nostradamus? Ou da passagem do cometa Hallebop, em 1997, que gerou várias previsões cataclísmicas e teorias de ET’s a caminho da Terra escondidos na nuvem de poeira do cometa? Não é para rir tendo em conta que pelo menos 39 membros da seita norte-americana Heaven’s Gate cometeram suicídio por acreditarem que as suas almas seriam levadas pelos extraterrestres...
O que diz a Profecia Maia de 2012?
“Basicamente a ideia é que os Maias, que tinham um calendário mais preciso, mais complexo e muito mais holístico que o nosso, previram vários acontecimentos que entretanto aconteceram, como a chegada do homem branco - Hernan Cortez - a 8 de novembro de 1519. Um dos seus calendários (eles tinham vários) prevê que algo de muito grave se passará no solstício de inverno, 21 de dezembro, de 2012. Tão grave que o mundo tal como o conhecemos desaparecerá”, afirma o astrólogo Luís Resina. Formado em filosofia, Resina, 56 anos, dedica-se há mais de 30 ao estudo das religiões, do simbolismo e do esoterismo. Em Portugal é um dos que defende a importância simbólica de 2012, e tem escrito artigos e dado conferências sobre o assunto, nomeadamente no Espaço Espiral, em Lisboa, onde promove atividades. Uma rápida pesquisa no Google permite perceber que não está sozinho. Há mais de 40 milhões de resultados sobre o assunto. No centro da profecia está o calendário Maia maior, também chamado calendário de conta larga. “Os Maias dividiam o tempo em períodos de 25.625 anos e esse período era por sua vez dividido em cinco fases de 5.125 cada uma. O dia 21 de dezembro de 2012 marca o fim do quinto ciclo, o fim do calendário que representa “o fim de um período de sombras, o fim da materialidade e uma oportunidade para voltarmos a abarcar a essência do cosmo”.
O calendário Maia e a era de aquário
Luis Resina articula a profecia Maia com alguns eventos astronómicos de relevo, como um raro alinhamento entre o Sol e a Terra com o centro da galáxia, que se irá dar precisamente no dia 21 de dezembro de 2012, e o fim do ciclo de 26 mil anos que marca a passagem para a Era de Aquário, tudo a ocorrer precisamente agora. Há quem fale na extinção da vida na Terra, um cenário explorado por Hollywood em vários filmes sobre 2012, mas Luís Resina garante que é apenas o início de uma nova era para a humanidade. “O mundo não vai acabar, basta ver que os Maias também falam em períodos posteriores a esta data, todas estas mudanças se dão ao longo de um período de tempo, não prevejo acontecimentos cataclísmicos. Aliás, a profecia também fala do tempo do não tempo, um período a que os Maias chamavam katún e que corresponde aos últimos 20 anos antes de 2012, é o tempo de acordar. No fundo as transformações externas a que estamos a assistir funcionam como um catalisador para as mudanças que temos de fazer dentro de nós”, diz.
Calma, é só um calendário...
É verdade que os Maias percebiam de astronomia e conseguiam grande precisão nos calendários graças à observação do céu durante anos a fio. Mas a sua astronomia também estava inserida num sistema de crenças, acreditavam que o universo era plano e quadrado, encaravam os movimentos do Sol, Lua e Vénus como movimentos dos deuses e ainda pensavam que o Sol girava à volta da Terra. Também é verdade que um dos seus calendários, chamado calendário maia de Conta Larga, terminava por volta de 21 de dezembro de 2012, mas não há indicações de que considerassem isso especial. “Trata-se de um calendário como o nosso, por ciclos, quando se chega a ‘31 de dezembro’ esse ciclo acaba e começa um novo a ‘1 de janeiro’. Pode-se dizer ‘ano novo, vida nova’, e esperar certas realizações no ano seguinte, mas não passa disso”, resume o astrónomo Carlos Oliveira. Especialista em educação científica, a fazer o doutoramento na Universidade do Texas, dedica-se no site astropt.org a desmistificar muitas ideias distorcidas sobre stronomia, nomeadamente as associadas 2012. Mas então há ou não um alinhamento raro entre o sol, a terra e o centro da galáxia em dezembro de 2012? “Se criarmos uma linha imaginária entre o sol, a Terra e o centro galático nessa data do solstício de Inverno parece que os três estão alinhados. Na verdade o movimento de precessão da Terra leva tanto tempo que parece que que já estamos alinhados há vários anos. Para ser mais detalhado esse alinhamento foi mais preciso em 1998. Já na altura andavam a dizer que íamos morrer todos devido a isso e nada aconteceu. Não há qualquer efeito do alinhamento e em 2012 estaremos menos alinhados que em 1998”, diz Carlos Oliveira.
De onde veio o mito de 2012?
Se não veio dos Maias, de onde surgiu a ideia de 2012 como data apocalíptica? David Stuart, especialista em escrita maia antiga da Universidade do Texas, em Austin, traça a origem do mito aos anos 60 e 70, quando o escritor Frank Waters publicou vários livros sobre o tema como ‘Mexico Mystique: the Coming of the Sixt Age of Consciousness’ “um pastiche das filosofias maia e aztecas em que sugeria que o fim do calendário maia envolveria uma transformação da consciência mundial. As ideias de Waters foram secundadas por Jose Arguelles num livro doido mas que teve muita influência chamado ‘The Mayan Factor: Path Beyong Technology’”, lê-se no site que o investigador mantém em http://decipherment.wordpress.com . A difusão destas teorias em redor do calendário Maia levou recentemente o diretor do Acervo Hieróglifo e Iconográfico Maya do Instituto Nacional de Antropologia e História do México, Carlos Pallán, vir a público esclarecer que “em nenhum dos 15 mil textos existentes dos antigos maias está escrito que em 2012 haverá grandes cataclismos, crença originada em escritos esotéricos da década de 1970”.
Nem tudo o que é antigo é ouro
A tendência para achar que houve povos remotos com uma espiritualidade mais avançada e que têm uma chave perdida que conduz à nossa salvação é antiga. Corresponde a uma nostalgia do divino, os antropólogos explicam isto com o mito do Paraíso Perdido. O fim dos tempos é outro fascínio de sempre. “As pessoas gostam de acreditar que o mundo vai acabar durante a vida delas, porque isso tornará a era em que vivem como a mais especial, tornará a sua vida relevante. Psicologicamente é apelativo pensarem estar no mais importante tempo de sempre: é um geocentrismo psicológico ligado ao tempo”, explica o astrónomo Carlos Oliveira. “A Profecia Maia é somente mais um esquema para vigarizar os crentes em conspirações”. Prova disso são as resmas de livros, filmes e DVDs que se vendem sobre estes assuntos. Ou as iniciativas como a da empresa pornográfica norte-americana Pink Visual que está a construir um glamoroso bunker para salvar 1500 pessoas do Apocalipse, entre profissionais e fãs da empresa. É o chamado marketing apocalíptico.
O mundo vai mesmo acabar
Agora que já a descansamos sobre 2012 temos uma má notícia: o mundo vai acabar. O prazo para a extinção da humanidade é um assunto controverso na comunidade científica mas não oferece dúvidas. Marque na agenda, se não for antes, por mão do homem, será daqui a 500 milhões de anos. A vida na Terra depende do Sol e este, como todas as estrelas, tem um prazo de validade. A temperatura do Sol está a aumentar muito lentamente e daqui a 500 milhões de anos a temperatura tornará a vida na Terra impossível. E depois? O sol começará a definhar consumindo as últimas reservas de hidrogénio, em 5 biliões de anos deverá colapsar por completo depois transformar-se numa estrela gigante vermelha, consumindo a Terra ou empurrando-a para os confins escuros do espaço.
Um mundo de calendários
Os calendários são apenas convenções para medir o tempo. Outras culturas têm contagens diferentes da nossa
Ano gregoriano (o nosso): 2012
Ano hebraico: 5772-5773
Ano arménio: 1461
Ano islâmico: 1433-1434
Ano chinês: 4708-4709

Por:  Bárbara Bettencourt – Activa

domingo, 19 de fevereiro de 2012

sábado, 18 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

sábado, 11 de fevereiro de 2012

domingo, 29 de janeiro de 2012

Alerta de um sociólogo: classe média pode desaparecer

Risco de empobrecimento «muito rápido» com consequências para a sociedade, a economia e para a democracia.

A classe média tal como a conhecemos em Portugal pode desaparecer. Tudo por causa da crise económica que o país atravessa. O alerta parte do sociólogo Elísio Estanque, que lança esta semana um livro sobre o tema.
A classe média «está em risco de um empobrecimento muito rápido» que pode levar a um «descontentamento mais amplo na sociedade portuguesa» e ao «enfraquecimento do sistema socioeconómico e do sistema democrático», explicou à Lusa o autor do livro «Classe Média: Ascensão e Declínio».
Para o sociólogo, a classe média em Portugal tem «dificuldades acrescidas» em relação a outros países ocidentais, que resultam de processos tardios quer de industrialização quer de adopção de um regime democrático.
Por isso, «a classe média que Portugal conseguiu edificar» foi criada num «processo muito rápido, pouco consistente, que resultou sobretudo da expansão do Estado social e que, na sequência dos anos 80 do século passado, sujeita a um discurso mais ou menos eufórico orientado para o consumo e para um certo individualismo, criou um conjunto de expectativas relativamente às oportunidades do sistema».
O papel dos jovens na transformação da sociedade
No entanto, a crise económica está a defraudar essas expectativas, o que acabará por levar a uma alteração da sociedade a partir da insatisfação dos jovens, avisa Elísio Estanque.
É que são muitos já os que, fazendo parte da classe média e tendo formação superior, vivem uma «condição de precariedade e insatisfação relativamente às instituições e à classe política». É, de resto, esta faixa da sociedade que «alimenta os movimentos de protesto».
São eles que «incutem um novo discurso, uma nova leitura relativamente ao funcionamento da sociedade e recorrem a outro tipo de meios e de leituras da realidade. Se esses sinais conseguirem ser capitalizados e absorvidos pelos agentes da nossa vida política - partidos políticos, sindicatos, instituições em geral - pode ser que as instituições se renovem a tempo de evitar o pior», considerou Elísio Estanque, ressalvando que «terá de haver uma renovação».

In Agência Financeira - Economia

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Despojos?

sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz 2012

Que o amor, a paz e a felicidade façam parte
da vidas de todos neste novo ano que
está se iniciando.
BOAS FESTAS!!!!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

sábado, 24 de dezembro de 2011

Feliz Natal

domingo, 18 de dezembro de 2011

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Evolução?

Capitalismo

sábado, 27 de agosto de 2011

Sexo com os Neandertais foi bom para nós, sistema imunitário do homem moderno ficou mais forte.

Depois de terminada a longa controvérsia sobre se havia dentro de nós um pouco de Neandertal — sim, há, concluiu-se em Maio do ano passado —, a discussão passou para outro nível. Que influências deixaram ao certo nos nossos genes os Neandertais, que se extinguiram há 28 mil anos, na Península Ibérica? O que se está a concluir, segundo um estudo na revista Science, é que ficámos com um sistema imunitário mais forte. Portanto pode dizer-se que o sexo com eles foi bom para nós, em geral.A discussão tornou-se mais complexa quando, em Dezembro, se revelou um grupo de humanos até aí desconhecido — os denisovanos —, que viveram entre há 30 a 50 mil anos na Sibéria e Sudeste asiático e que também se reproduziram com a nossa espécie, os humanos modernos. Além dos Neandertais, que terão deixado um contributo de até quatro por cento no nosso genoma, herdámos ADN dos denisovanos, que chega aos seis por cento nalgumas populações actuais.
Agora, a equipa de Peter Parham, da Universidade de Stanford, nos EUA, quis determinar as heranças desses tempos coloridos entre nós, os Neandertais e os denisovanos, centrando as atenções num grupo de genes importante na defesa contra a invasão de vírus e outros agentes patogénicos. São os genes do sistema HLA.
Os três grupos de humanos partilharam um antepassado em África, mas as suas linhagens divergiram há 400 mil anos.
Os Neandertais surgiram há 300 mil anos, na Europa e no Médio Oriente. Os denisovanos espalharam-se pelo Sudeste asiático, ainda que só se tenha encontrado uma falange e um dente deles, na gruta Denisova, na Sibéria. E os humanos modernos saíram de África há 60 mil anos, avançaram pela Eurásia e foram-se encontrando com Neandertais e denisovanos.
Fizeram a guerra, sem dúvida. Mas, reforçando as conclusões de outros cientistas, a equipa de Parham encontrou em genes do sistema HLA provas de que também fizeram amor.
Por exemplo, há uma variante genética rara nas populações africanas actuais, mas que é frequente em quem é do Sudoeste asiático e que, muito provavelmente, terá sido herdada dos denisovanos. Outra está ausente nos africanos de hoje, mas é comum no Sudeste asiático, na Oceânia e Papuásia-Nova Guiné. Também algumas variantes do ADN extraído dos Neandertais são comuns entre europeus e asiáticos, mas raras nos africanos.
“Variantes dos genes HLA nos Neandertais e denisovanos tinham-se adaptado à vida na Europa e Ásia, enquanto os migrantes africanos recentes [os humanos modernos] não as tinham. Obtê-las pelo acasalamento teria sido vantajoso”, realçou Parham à BBC.
Mas alguns de nós, sugere a equipa, pagaram o preço das doenças auto-imunes, como a artrite reumatóide, em que o sistema imunitário se vira contra o próprio organismo, atacando-o.
Se essas variantes nos deram vantagens, não evitaram a extinção aos Neandertais e denisovanos, o que Parham compara com a conquista do continente americano pelos europeus: “No início, havia pequenos grupos, que passaram tempos difíceis e se tornaram amigos dos nativos. Assim que se estabeleceram, apoderavam-se dos seus recursos e eliminavam-nos. A experiência moderna reflecte o passado e vice-versa.”

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Crueldade e Sofrimento

A crueldade é constitutiva do universo, é o preço a pagar pela grande solidariedade da biosfera, é ineliminável da vida humana. Nascemos na crueldade do mundo e da vida, a que acrescentámos a crueldade do ser humano e a crueldade da sociedade humana. Os recém-nascidos nascem com gritos de dor. Os animais dotados de sistemas nervosos sofrem, talvez os vegetais também, mas foram os humanos que adquiriram as maiores aptidões para o sofrimento ao adquirirem as maiores aptidões para a fruição. A crueldade do mundo é sentida mais vivamente e mais violentamente pelas criaturas de carne, alma e espírito, que podem sofrer ao mesmo tempo com o sofrimento carnal, com o sofrimento da alma e com o sofrimento do espírito, e que, pelo espírito, podem conceber a crueldade do mundo e horrorizar-se com ela.
A crueldade entre homens, indivíduos, grupos, etnias, religiões, raças é aterradora. O ser humano contém em si um ruído de monstros que liberta em todas as ocasiões favoráveis. O ódio desencadeia-se por um pequeno nada, por um esquecimento, pela sorte de outrem, por um favor que se julga perdido. O ódio abstracto por uma ideia ou uma religião transforma-se em ódio concreto por um indivíduo ou um grupo; o ódio demente desencadeia-se por um erro de percepção ou de interpretação. O egoísmo, o desprezo, a indiferença, a desatenção agravam por todo o lado e sem tréguas a crueldade do mundo humano. E no subsolo das sociedades civilizadas torturam-se animais para o matadouro ou a experimentação. Por saturação, o excesso de crueldade alimenta a indiferença e a desatenção, e de resto ninguém poderia suportar a vida se não conservasse em si um calo de indiferença.

Edgar Morin, in 'Os Meus Demónios'

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Como é que se Esquece Alguém que se Ama?

Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?
As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'